O Pânico regressou aos campos cajamarenses e fez uma partida festiva com o intuito de celebrar a amizade, as memórias esportivas e colocar a boa conversa em dia. Parte dos atletas que estiveram na gênese da equipe e que fizeram sucesso com a camisa do time foram ao Tobias Nogueira e demonstraram que ainda batem um bolão.

Fundado no início dos anos 2000, o time liderado por Juliano, André, Djalma foi campeão da extinta Segunda Divisão em 2001, em uma final épica contra o forte Ferroviário, na época comandado pelo sábio Maurício. As glórias continuaram e o Pânico sagrou-se bicampeão da Primeira Divisão (2004 e 2005), além de vencer a Copa Metropolitana de São Paulo.

Verdadeiros craques defenderam com ardor as cores do Pânico: Vinicius Ribas, Felipinho, Túlio, Fernando Morale, Alemão, Renan, Juan, Amarildo, Rafael, Renato, Alex, Lê, Carlinhos, Fusca, dentre outros foram destaques ao longo da trajetória vitoriosa da equipe. Lembramos em especial dos geniais Terrinha e Nardone, sendo esse último um dos melhores jogadores que debutaram nos campos de Cajamar.

O Pânico foi, talvez, a equipe que melhor tratou a bola nos últimos anos em Cajamar. Segundo Ricardinho, gênio dos gramados e profundo conhecedor da história futebolística local, ‘os meninos’ do Pânico eram bons e os seus feitos estão eternizados.

A intenção reside em continuar fazendo amistosos e assim reviver os dias de vestiários. Como as pernas não ajudam mais correr como outrora, a experiência melhorou o que o Pânico tinha de excelência, o toque de bola afinado e apurado.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.