O Fundo Social de Solidariedade de Cajamar promoveu na manhã desta sexta-feira (28) uma roda de conversa sobre Direitos Humanos, Cidadania, Justiça e Criminalização da Homofobia e Transfobia, em celebração ao Dia Internacional do Orgulho LGBT. O evento foi realizado na Câmara Municipal de Cajamar e foi aberto para todos que quisessem prestigiar.

O evento contou com a participação do Prefeito de Cajamar Danilo Joan, do apresentador Leão Lobo, da professora Gabriela Garcia, do Diretor Executivo do IPSSC Dênis Lima, do Secretário de Justiça Dr. Edmilson Lima e outros secretários de Cajamar, além de representantes do Fundo Social de Solidariedade que cuidaram da organização. 

O Prefeito Danilo Joan iniciou o evento mencionando a importância da data. “Eu não poderia deixar de vir aqui hoje neste dia tão especial. É inadmissível o ser humano ser julgado pela cor da pele, ou pela orientação sexual. Precisamos lutar não somente pela causa LGBT, mas contra preconceito e desigualdade em todos os sentidos”, destacou.

A presidente do Fundo Social de Solidariedade Nadja Haddad agradeceu em vídeo a presença de todos, aos profissionais que toparam integrar a bancada e afirmou que o Fundo Social está aberto a todas as pessoas independentemente de raça, credo ou orientação sexual. 

O jornalista e apresentador Leão Lobo falou sobre sua história e luta em defesa dos direitos LGBT, e também a dificuldade em aceitar sua orientação sexual na adolescência. “Me sinto muito honrado em falar sobre um assunto que eu precisei entender não pelo prazer, mas pela dor. Eu passei por uma fase muito triste nos anos 70/80, ainda no período de ditadura, e aprendi de uma maneira muito difícil o que é ser homossexual no Brasil”, disse ele, que foi o primeiro a assumir a homossexualidade em rede nacional, além de ser um dos fundadores da “Parada do orgulho LGBT”.

A Professora Gabriela Garcia também participou da conversa e ressaltou a importância da luta pelo respeito para conviver com igualdade. “Eu não luto pelo preconceito. O maior desafio é a luta pela conquista do meu espaço”.

Durante a roda de conversa, os participantes também tiveram a oportunidade de conhecer alguns direitos que vem sendo conquistados através das orientações do Diretor Executivo do IPSSC Dênis Lima e do Secretário de Justiça de Cajamar Edmilson Lima. “Antigamente, para mudar o nome na identidade para a pessoa ser chamada como escolheu, era necessário um processo jurídico que chegava a demorar até três anos, agora apenas com os documentos originais no cartório, a própria pessoa pode solicitar a alteração”, informou Edmilson.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.