A adesão de prefeitos do PSDB no estado de São Paulo à candidatura de Márcio França (PSB) ao governo, e não a João Doria (PSDB), expôs novo racha no partido, esta semana, com saídas de quadros por vontade própria ou por decisão do partido, além de ameaça de expulsão impostas pelo diretório estadual. A eleição deste ano coloca na berlinda um domínio tucano de 24 anos no território paulista.

Nessa quinta (18), o prefeito de Pirassununga, Ademir Lindo, recebeu França, declarou apoio a ele e reforçou críticas a Doria que já têm sido feitas por outras lideranças tucanas dissidentes da campanha do ex-prefeito. “Pelos ataques que fizeram aos meus amigos, como o Geraldo Alckmin, o ex-governador Alberto Goldman e o José Serra. Não aceito isso em política – cuspir no prato que comeu”, criticou em entrevista coletiva.

No mesmo dia, o presidente do diretório estadual, Pedro Tobias, encaminhou ofício a Lindo o comunicando de sua expulsão. “Mandei aviso informando que ele está expulso – por decisão minha, sumária. É muito grave o que aconteceu”, declarou Tobias.

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), puxara a fila da debandada tucana, na semana passada, ao anunciar, com críticas a Doria, o apoio a França. Segundo Tobias, Barbosa recebeu ofício cobrando explicações pelo que considerou traição ao partido, e, dependendo da justificativa, poderá ter o mesmo destino do prefeito de Pirassununga.

“Demos um prazo para ele responder alguns pré-requisitos, mas tudo indica que ele será poderá, sim, ser expulso”, enfatizou o presidente estadual do PSDB. “Mas o nosso foco agora está mesmo é na eleição”, concluiu.

Candidatos do interior declaram voto em França

Nessa quinta, a campanha de França divulgou texto em que afirma ter recebido apoio de outros prefeitos tucanos que estão “engrossando uma lista que não para de crescer”. Além dos mandatários de Santos e Pirassununga, são citados os prefeitos de Lorena (Fábio Marcondes) e Queluz (Laurindo Garcez).

No caso do prefeito de Lorena, o apoio a França foi explicitado nas redes sociais do político também com o anúncio de sua desfiliação do PSDB. Marcondes se refere indiretamente a Doria como alguém que “não representa os ideais do PSDB, e sim, um projeto pessoal com o qual não me identifico”.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Vim anunciar pra vocês minha desfiliação do PSDB. Não é de agora que tenho explanado aqui meu descontentamento com o partido, que até poucos meses administrava o Estado de São Paulo e que durante anos pouco somou aos projetos e investimentos pensados por minha administração para Lorena. Além disso, também preciso expor minha opinião sobre o atual candidato do partido, afinal, estamos em período eleitoral e acredito que o mesmo não representa os ideais do PSDB, e sim, um projeto pessoal do qual não me identifico. Como prefeito e cidadão, tenho preocupação com o futuro do Estado, já que isso interfere diretamente na administração de Lorena, por isso, também quero anunciar meu apoio ao candidato Márcio França nesta disputa ao Governo do Estado. Entre os inúmeros motivos que me levam a essa decisão, durante os seis últimos meses de Márcio França como o novo governador de São Paulo, nossa cidade recebeu importantes investimentos. Sua postura no cargo de governador, seu papel como cidadão e prefeito de São Vicente durante seus oito anos de mandato, e sua postura e projeto político como candidato, se assemelham aos ideais que defendo e acredito. Destaco aqui que, por enquanto, ficarei sem partido e os manterei informados sobre qualquer mudança neste sentido. #transparencia #LorenaSp #Gestao

Uma publicação compartilhada por Fábio Marcondes (@fabiomarcondesoficial) em

Em vídeo que circula entre os aliados de França, ao qual o UOL teve acesso, também o prefeito tucano de Glicério (região de Araçatuba), Ildo Gaúcho, defende o candidato do PSB, e não Doria.

Ao lado do deputado estadual reeleito Caio França (PSB), filho de França, Gaúcho se refere ao atual governador como “o melhor para o estado de São Paulo” e pede aos “prefeitos da região que ainda não se definiram” que optem pelo nome do PSB. Ainda no vídeo, o deputado o agradece com um sugestivo “Aqui tem palavra” –bordão usado pela campanha do atual governador, que é uma crítica a Doria ante o abandono do mandato na prefeitura de São Paulo e à relação conflituosa entre o ex-prefeito e Alckmin ao final do processo eleitoral.

Prefeito de Santos diz defender “legado” Covas e Alckmin

O prefeito de Santos se disse “tranquilo” com a possibilidade de também ser expulso, mas negou que cogite deixar o partido.

“Sempre tive uma postura coerente no partido que sempre defendi nos 20 anos em que estou filiado –seja como nos meus dois mandatos como prefeito, ou nos meus dois mandatos como deputado estadual”, destacou.

Barbosa lembrou ter sido ainda “o primeiro prefeito eleito pelo PSDB em Santos” e disse que apresentará, nas esferas partidárias, “argumentos que considero absolutamente coerentes para minha permanência”. “O PSDB que me representa é o de [Mario] Covas, Alckmin, com os princípios e valores da social democracia”.

Apesar de expulso pelo diretório estadual, o caso do prefeito de Santos deverá ser apreciado, ao fim, pela Executiva Nacional do partido –presidida por Alckmin –, da qual ele é membro.

Rachas desde 2016

Este não é o primeiro movimento de fissura entre os tucanos em torno do nome de Doria. Em 8 de outubro, dia seguinte ao primeiro turno, a executiva nacional reverteu duas expulsões realizadas pelo diretório municipal – as do ex-governador Alberto Goldman, que usara adesivo de Paulo Skaf (MDB) em debate do primeiro turno, e do secretário Saulo de Castro, que levara França ao encontro de Alckmin do dia da votação. Goldman é membro da executiva; Castro, do diretório estadual.

Mesmo os dois tumultuados processos de prévias que escolheram Doria para concorrer à prefeitura, em 2016, e ao governo, este ano, levou o partido à perda de nomes históricos na sigla, como os vereadores Andrea Matarazzo (desde 2016 no PSD) e Mário Covas Neto (que este ano migrou ao Podemos).

Em abril deste ano, os deputados Barros Munhoz (líder dos governos José Serra e Geraldo Alckmin) e Coronel Telhada migraram, respectivamente, ao PSB de França e ao PP.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.