A crise financeira e o caos administrativo vivenciado pela cidade Cajamar, tem gerado diversas discussões sobre as possibilidades de uma saída jurídica para tal impasse. No afã de uma solução, muitas pessoas passaram a indagar sobre a possibilidade de intervenção do Estado no Município de Cajamar. Neste contexto, cabe pontuar as hipóteses legais de intervenção.

Em primeiro plano, convém destacar que pela organização político-administrativa brasileira os Municípios são integrantes da Federação e para manter esse equilíbrio e evitar distorções em sua unidade, a nossa Constituição Federal assegurou o remédio da intervenção de uma entidade federativa de maior amplitude sobre outra de menor âmbito (da União nos Estados e destes nos Municípios), somente em situações excepcionais e previstas expressamente no texto magno.

- publicidade -  

Examinando a questão da intervenção dos Estados nos Municípios, observa-se que a Constituição Federal pensando em eventuais crises políticas e administrativas, visando proteger o sistema federativo, criou um remédio constitucional denominado intervenção. Partindo dessa premissa resta evidente que a intervenção estadual nos municípios possui a finalidade de manutenção do equilíbrio federativo.

Nessa perspectiva, em virtude de a intervenção visar a correção de irregularidades na administração municipal, ela pode ser solicitada por qualquer cidadão, entretanto o mais comum é que, em se tratando dos incisos I, II e III do artigo 35 da Constituição Federal, a solicitação deve partir do presidente da Câmara e, no caso do inciso IV, do chefe do Ministério Público Estadual. Não se esquecendo que o governador do Estado, ao tomar conhecimento das irregularidades, poderá agir de ofício (por conta própria).

Concernente à intervenção estadual nos Municípios, as hipóteses estão relacionadas no artigo 35 da Constituição, quais sejam: a) deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por dois anos consecutivos, a dívida fundada; b) não forem prestadas contas devidas, na forma da lei; c) não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde; d) o Tribunal de Justiça der provimento a representação para assegurar a observância de princípios indicados na Constituição Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão judicial.

É importante ressaltar que a decretação da intervenção estadual é de competência privativa do Governador do Estado, que o fará por meio de um decreto de intervenção especificando a amplitude, o prazo, as condições e, quando couber, o interventor.

Da mesma forma, nomeado o interventor, as autoridade envolvidas serão afastadas até que os motivos da intervenção se cessem, quando retornam aos seus cargos, salvo se houver algum impedimento.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.

- publicidade -