Os valores desviados eram camuflados por compras de bem de alto valor, doações a igreja, doações a político de expressão nacional e celebração de contratos fictícios, segundo a Justiça.
- publicidade -  

Escutas telefônicas captadas durante investigação da Polícia Federal (PF) e Ministério Público reforçam as suspeitas de irregularidades no Hospital Regional (HMC) em Cajamar.

Além das gravações documentos e depoimentos de testemunhas demonstram que os envolvidos teriam arquitetado um sofisticado esquema de desvio de verbas da saúde pública municipal, valendo-se da Organização Social Fenaesc (Federação Nacional das Entidades e Comunitárias) e das empresas de fachada Nossa Senhora do Livramento Remoções Ltda e ZFS Servicos Médicos.

- publicidade -  

Os investigados se apropriavam ilicitamente dos recursos que deveriam se destinar ao Hospital Municipal de Cajamar e, com este esquema criminoso, teriam desviado ao menos um milhão e oitocentos mil reais.

Os valores desviados eram camuflados por compras de bem de alto valor, doações a igreja, doações a político de expressão nacional e celebração de contratos fictícios, segundo a Justiça.

As irregularidades vieram à tona na operação Santinho, deflagrada no início do ano.

Entre os investigados estão o empresário Luiz Teixeira da Silva Junior, que era representante da Fenaesc, e que teve o mandado de prisão decretado nesta terça-feira (9) e segue foragido. A esposa de Luiz, a empresária Liliane Bernardo Rios da Silva, foi presa Pela Polícia Militar uma semana após a determinação judicial, na sexta-feira (05), em Alphaville, na cidade de Santana de Parnaíba. As autoridades conseguiram encontrar a mulher através do serviço de inteligência da PM e no carro da acusada teria sido encontrado uma grande quantidade de dinheiro em espécie.

Outras pessoas estariam envolvidas entre elas políticos da cidade que estão sendo investigados. O nome dos demais envolvidos segue sobre segredo de Justiça.

Veja despacho da Justiça que negou o habeas corpus de soltura a diretora financeira da Fenaesc. O documento da Justiça divulgado nas redes sociais aponta o esquema:


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.