Em relação à aprovação pessoal de Temer, 33,8% responderam positivamente e 40,4% reprovaram / Ueslei Marcelino/Reuters

A pesquisa divulgada nesta manhã de quarta-feira (8) – pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes) e o instituto MDA – aponta que 28% dos brasileiros reprovam o governo de Michel Temer e 11,3% aprovam. O maior índice é dos que não responderam a pergunta, atingindo 30,2% dos 2 mil entrevistados.

Em relação à aprovação pessoal de Temer, 33,8% responderam positivamente e 40,4% reprovaram o peemedebista, enquanto quase 26% preferiram não responder.

Questionados sobre o impeachment, 62,4% defendem que foi correto o afastamento da presidente Dilma Rousseff e 68,2% acreditam que ela será cassada ao final da tramitação no Senado.

45,6% dos entrevistados consideram que o processo de impeachment fortalece a democracia brasileira e 34,3% que acham que enfraquece.

Na comparação entre os governos Dilma e Temer, 54,8% disseram que o governo atual está igual ao afastado, 20,1% responderam que o peemedebista tem um desempenho superior e 14,9% preferiam as ações adotadas pela petista.

Eleição presidencial

Ainda de acordo com a pesquisa, em um primeiro turno espontâneo, o ex-presidente Lula lidera com 8,6%, seguido do senador pelo PSDB Aécio Neves (5,7%), a ex-senadora Marina Silva (3,8%), a presidente afastada Dilma Rousseff (2,3%) e o atual presidente Michel Temer (2,1%).

Em um primeiro turno com nomes definidos, Lula venceria Aécio Neves, tendo Marina Silva na terceira posição, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro e Michel Temer em sexto.

Lula também venceria se o candidato do PSDB fosse o governador paulista Geraldo Alckmin, que ficaria em 3º.

Mas, no segundo turno, Aécio venceria nos cenários com Lula, Temer e Marina Silva. O petista também venceria em uma suposta disputa contra Temer, enquanto Marina levaria a melhor contra Temer e Lula.

Sobre a Lava Jato, 66,9% consideram que a presidente afastada Dilma Rousseff é culpada pela corrupção e 71,4% acham que o ex-presidente Lula é culpado.

Sobre o futuro da operação, 36,2% acreditam continuará igual no governo Temer e quase 30% pensam que ela será fortalecida.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.