A Represa Paiva Castro atingiu 70% da capacidade na tarde desta segunda-feira (6), informou a Prefeitura de Franco da Rocha. Na tarde deste domingo (5), o nível era de 37%. A Prefeitura disse que “até o momento, não houve abertura da comporta nem há previsão imediata”. A represa fica a 5 km de Franco da Rocha.

Como a previsão é de mais chuvas, a Prefeitura ainda informou que se a abertura de comportas for necessária, será feita “feita de forma cadenciada, para evitar novas
inundações no município”.

Em contato com a Sabesp, a Prefeitura de Caieiras foi informada de que, com a diminuição das chuvas, o nível da barragem encontra-se estável, com tendência a baixar, devido ao bombeamento em volume maior.

Se o quadro se mantiver dessa maneira, a abertura das comportas não ocorrerá.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) fechou a passagem de água do reservatório de Nazaré Paulista e aumentou o bombeamento para a estação do Guaraú, para tirar água da Paiva Castro.

Veja a nota da Sabesp:
Em virtude das chuvas constantes dos últimos dias, que aumentaram a entrada de água (afluência) na represa Paiva Castro, que pertence ao Sistema Cantareira, a Sabesp informa ter adotado os seguintes procedimentos:

1) Fechou, no último sábado (4/6), o túnel 5, tubulação que traz água da represa Atibainha para a Paiva Castro. Com isso, não há mais transferência de água de outros reservatórios do Sistema Cantareira para ela. A Paiva Castro só está recebendo a chuva que tem precipitado diretamente sobre essa represa e no seu entorno;

2) Como na madrugada de segunda-feira (6/6) o nível da Paiva Castro atingiu 70% do volume máximo, a Sabesp aumentou a produção de água para abastecer a população da capital e da Grande São Paulo. Com isso, a vazão que era retirada da represa para atender aos moradores subiu de 22 mil litros por segundo para 33 mil litros por segundo. A companhia aumentou a área de atendimento do Cantareira, passando a usar esse sistema para abastecer moradores que normalmente recebem água do Alto Tietê, do Guarapiranga e do Alto e Baixo Cotia;

3) Neste momento, a represa Paiva Castro tem cumprido o papel de “caixa-d’água”, armazenando o volume de chuvas que atinge a região e evitando que ele avance pelas cidades;

4) a Sabesp está em contato permanente com a Defesa Civil estadual para informar sobre as operações executadas em relação à represa Paiva Castro.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.